Comunicado FECTRANS 4/2019

29 DE MAIO DE 2019

Aos trabalhadores da CarrisTur

DEFENDER O AUMENTO REAL DOS SALÁRIOS

A FECTRANS transmitiu que mantinha a reformulação que tinha efetuado na última reunião e que que consistiu em defender a aplicação de uma tabela salarial, que no caso concreto dos motoristas se iniciasse com os valores existentes na Carris, correspondente ao escalão D (723,08 €) e fosse progredindo nos mesmos valores em aplicação na grelha salarial da Carris ( 742,03; 766,30; 795,28; 830,20; 872,21; 901,94 €).

Esta posição da FECTRANS/STRUP,  na reunião do passado dia 21 de maio, deve-se ao facto de considerarmos completamente ao inverso do que é normal em qualquer processo de negociação coletiva que a administração, tenha apresentado uma reformulação da tabela salarial com valores mais baixos do que anteriormente tinha apresentado, nas carreiras de condução e na comercial.

De facto excetuando os dois primeiros níveis (níveis 0 e 1) em que subiu 5 € e 2,76 €, respetivamente, em todos os restantes desceu, entre 3,55 € e 121,79 €, em relação à sua primeira proposta.

UMA EVOLUÇÃO POSITIVA -  Ainda na discussão da forma de progressão na tabela salarial, quanto aos motoristas, a empresa aceitou a proposta da FECTRANS de estabelecer um tempo máximo de permanência de 6 anos no nível 3 de remuneração, para aceder ao nível seguinte. Da reunião anterior já estava fixado que os tempos máximos de permanência no nível 0 seria de 2 anos, no nível 1 de 3 anos e no nível 2 de cinco anos.

Também na reunião anterior já estava aceite pela empresa o princípio aplicável a todos os trabalhadores, de que  na fase de  enquadramento inicial nos níveis da tabela salarial, esta ocorrerá em função do tempo de permanência na empresa, grau académico e formação/certificação profissional, assim como a empresa não poderá classificar no primeiro nível, as trabalhadoras(es) com antiguidade superior a 1 ano e com a formação relevante para qualquer uma das funções que executa.

OUTRAS MATÉRIAS EM DISCUSSÃO - A FECTRANS propôs ainda que para o enquadramento inicial na tabela salarial sejam relevantes as funções efetivamente executadas pelo trabalhador (a). A administração ficou de dar resposta posterior a esta proposta.

Quanto à discussão da tabela salarial, admitiu pensar no assunto e dar continuidade posterior a esta discussão. Não sendo por isso assunto arrumado.

No verso deste comunicado damos a informação da tabela salarial apresentada pela empresa nesta reunião.

Na discussão relativa às diuturnidades a empresa contrapôs à proposta da FECTRANS, o estabelecimento de 3 anuidades cumulativas entre si, até aos 3 anos com o valor unitário de 5 € e a partir dos 4 anos de antiguidade estabelecer 5 diuturnidades de três em três anos, desta forma: 4 anos – 20 € ; 7 anos – 35 €; 10 anos – 50 €; 13 anos – 65 €; 16 anos – 80 € e 19 anos – 95 €

No âmbito do clausulado geral, a administração  retirou as propostas relativas à introdução do “banco de horas” e do regime de “adaptabilidade  do tempo de trabalho”, conforme posição da FECTRANS/STRUP.

PRÓXIMA REUNIÃO - A discussão de todas estas matérias terá continuidade no dia 17 de junho, tendo a FECTRANS proposto e foi aceite que a reunião decorre-se durante todo o dia.

Apelamos assim à Unidade de todos e todas os /as trabalhadores(as), fortalecendo a estrutura sindical da CGTP-IN na CarrisTur, o STRUP, e com isso dar mais força a que este processo possa ter uma conclusão de melhoria efetiva das condições de vida e de trabalho nesta empresa.

powered by social2s