Decorreu hoje dia 4 de julho de 2019 a reunião com o administrador da TST, para dar continuidade ao processo de negociação da proposta dos trabalhadores.

A reunião teve três partes destintas, uma onde foi acordada alguma matéria relativa às condições colectivas de trabalho dos trabalhadores, outra, na qual foram abordadas outras matérias da proposta dos trabalhadores e finalmente, uma terceira, onde foram apontadas metas, conteúdos e objectivos de trabalho, na continuação do presente processo de negociação

ASSIM, QUANTO À MATÉRIA ACORDADA:

- Ficou definitivamente acordado que a tabela salarial no valor de 700,00 euros produz efeitos a 1 de agosto de 2019, (representa a antecipação de um mês em relação à proposta inicial da empresa) e contempla parcialmente a proposta feita pelos trabalhadores no último plenário;

- A todos os trabalhadores será pago o subsídio de férias do ano em curso, no valor de 685,00 euros. (os trabalhadores que, entretanto, já tenham recebido o respectivo subsídio por valor inferior, serão ressarcidos da respectiva diferença);

- A todos os trabalhadores será pago o subsídio de natal, no valor de 700,00 euros

- Para além do que já havia sido acordado relativamente aos encargos da empresa com a formação profissional dos trabalhadores, a empresa passa também a suportar todos os custos com as taxas administrativas;

MATÉRIAS AINDA NÃO ACORDADAS, MAS QUE A EMPRESA ACEITA DISCUTIR:

- Integração das diuturnidades na tabela salarial, sendo criado para o efeito 7 níveis salariais, ou seja, desde nenhuma diuturnidade até seis diuturnidades;

- Integração do Agente único na tabela salarial;

NEGOCIAR UM ACORDO DE EMPRESA

O administrador da TST, não só mostrou interesse como considerou ser do interesse da empresa, que as relações colectivas de trabalho continuem a ser reguladas por um AE (acordo de empresa), que como sabemos, é

sempre, um instrumento mais favorável, que um contrato colectivo de trabalho.

Também é do conhecimento geral que o único AE existente na empresa, entrou em Sobrevigência face ao pedido de caducidade da anterior administração.

De qualquer forma, as 3 organizações sindicais que constituem a mesa de negociação, têm entre si situações diferenciadas que necessitam analisar para construir uma proposta conjunta.

O objectivo, é o das partes outorgantes, (empresa e sindicatos) prepararem trabalho para que nos dias 1 e 2 de agosto se finalize a negociação, estabeleça-se um acordo de princípio, que venha a ser posto à consideração final dos trabalhadores.

A INFORMAÇÃO E A CONTRAINFORMAÇÃO

Tal como informámos e avisámos no último plenário, a única informação válida para os trabalhadores, é aquela que é transmitida pelos sindicatos, quer se trate de informação conjunta, quer se trate de informação individual de cada sindicato.

Sabemos que existe alguns interesses, que até a própria administração desconhece, em deturpar a informação relativa ao processo das folgas rotativas. Suspeitamos que alguns “rabos de palha”, andam muito aflitos com a criação deste sistema. O QUE IMPORTA QUE O TRABALHADOR TENHA COMO GARANTIA:

- Todos os trabalhadores com folgas fixas, ocorram essas folgas em que dias ocorrerem, para passarem para o sistema de folgas rotativas, a empresa necessita do acordo do trabalhador;

- O sistema de folgas rotativas será criado de acordo com os trabalhadores e não, contra os trabalhadores;

- O sistema de folgas rotativas tem como único objectivo, a folga periódica aos trabalhadores, que sem este sistema, nunca gozariam descansos nos dias de Sábado e Domingo    

Laranjeiro, 5 de julho de 2019

powered by social2s