A HISTÓRIA DEVE SER CONTADA VEZES SEM CONTA

Com a publicação da revisão do CCTV - Contrato Coletivo de Trabalho Vertical no BTE nº 35 de 22 de setembro de 2019, os trabalhadores viram melhorias nas suas condições de vida e trabalho, bem como no salário. De lembrar, que os menos crentes viram em 2015 muito poucos avanços, ainda que se tivesse explicado que o “caminho se faz caminhando”. Em 2015, o desafio da intervenção do STRUP junto da ANTROP tinha como objetivo principal a rotura com o passado! A grande maioria das empresas do setor privado de passageiros praticavam o salário mínimo de 557€, o STRUP dava o seu consentimento ao acordo para um mínimo de 630€. As formações exigidas por lei foram assumidas pela negociação a serem pagas pelas empresas, exceto as taxas cobradas pelo IMT. O dia de aniversário, que havia sido roubado por via duma alteração ao Código de Trabalho, foi recuperado numa fase transitória na falta justificada sem retribuição. No conjunto de mais de uma centena de empresas filiadas na ANTROP, as práticas eram muito diferentes, o desafio incluía uniformizar o mais possível, eliminando as diferenças que prejudicavam os trabalhadores.

COMUNICADO COMPLETO

powered by social2s