OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NÃO ESTÃO CONFINADOS

Depois da posição pública do STRUP sobre a revisão do AE Carris, o C.A. agendou para o dia 18 de janeiro a primeira reunião de negociação. Um fato que se regista, mas não dispensa a urgência de medidas que melhorem os salários, os horários e os direitos, assim como a recuperação do poder de compra perdido nos últimos anos.
Estas reivindicações são, não só, justas como possíveis de concretizar. Isto porque, apesar da pandemia, a Carris anunciou um lucro de 4,5 milhões de €, em 2020 e perspetiva, para este ano, um resultado positivo de 4,2 milhões de €. São resultados que confirmam que o C.A. deve acabar com a postura negocial de “muita parra e pouca uva”.

Com efeito não basta dizer que os trabalhadores da Carris estão na “linha da frente” para trabalhar. É preciso que não fiquem para trás, quando se trata de valorizar os seus salários e direitos. Não queremos ser privilegiados, mas não aceitamos ser secundarizados pela prestação do serviço público que prestamos à população. Exigimos respeito e consideração. E políticas de gestão que melhorem as condições de trabalho e protejam a saúde, face à situação pandémica em que o País se encontra e ao confinamento, agora anunciado.

COMUNICADO COMPLETO

powered by social2s