SITUAÇÃO PANDEMICA ATINGE TUDO E TODOS

É já, um discurso recorrente de todos os agentes da sociedade, mas que reflete uma realidade incontornável. De facto, esta pandemia atinge todos indiscriminadamente, mas os prejuízos dela resultantes têm uma maior dimensão naqueles que dispõem de menores recursos, como por exemplo, os trabalhadores em geral, e do sector dos transportes em particular, pelos motivos amplamente conhecidos.

Como todos entenderemos, os processos de revisão das condições de trabalho dos trabalhadores, são igualmente afetados porque os recursos disponíveis não são os mesmos que seriam numa situação normal.

No entanto, compete aos sindicatos reclamarem das empresas um esforço suplementar porque só assim será possível minimizar os prejuízos dos mais desfavorecidos nesta situação, os trabalhadores.

PROCESSO DE NEGOCIAÇÕES DECORRE COM A NORMALIDADE POSSIVEL

Desde o final do ano de 2020 que a nova administração da TST (pós, engenheiro Pires da Fonseca) e os sindicatos, têm vindo a negociar um novo Acordo de empresa. E, como todos os processos de negociação, este também teve um princípio, e decorrerá até as partes negociarem toda a matéria, ou seja, cerca de 90 clausulas e respetivos anexos. Não importa o percurso do processo, esse está em constante mutação, importa o resultado final e, se esse interessará ou não aos trabalhadores. No entanto e como informação geral, foram já realizadas 3 reuniões, estão marcadas mais duas para os dias 2 e 3 de fevereiro e as partes estão empenhadas na celeridade deste processo.,

SITUAÇÃO SALARIAL DOS TRABALHADORES PARA 2021

Sem prejuízo do resultado final do processo de negociação do novo Acordo de Empresa, a administração da TST, naturalmente por pressão dos sindicatos, disponibiliza-se desde já, ainda que ligeiramente, para efetuar uma atualização nominal em todos os salários dos trabalhadores. Não estando totalmente encerrado o debate sobre o valor, este produzirá efeitos a janeiro de 2021 e a posição atual da empresa é de que seja 1% do nível salarial dos motoristas.

Por outro lado, está em cima da mesa de negociações, a possibilidade de se encontrar uma solução para o pagamento voluntário por parte da empresa, em relação a todos os créditos vencidos pelos trabalhadores, entre outros os referentes aos descansos compensatórios. A verificar-se possível, como já aconteceu em outras empresas, o pagamento devido aos trabalhadores, ocorreria muitos mais rapidamente sem necessidade do moroso recurso aos tribunais.

QUESTÕES E DUVIDAS PODEM EXISTIR

Naturalmente que os sindicatos, não deixarão em tempo algum, de defender os legítimos interesses dos trabalhadores, nem deixarão de considerar as suas aspirações no que respeita à melhoria das suas condições de trabalho. Nesta fase de negociação há sempre alguém que demagogicamente procura desestabilizar levantando duvidas e problemas que de facto não existem.

É importante que fique claro que compete aos sindicatos a gestão deste processo de negociação. Contamos sempre com o apoio indispensável dos trabalhadores e sempre que entendermos necessário, não deixaremos de recorrer à sua unidade e determinação. Mas, aqui fica o apelo, a informação que vale é aquela que os sindicatos transmitem.

Os sindicatos, através dos seus dirigentes e delegados sindicais, estarão em todos os locais de trabalho da empresa, em contacto permanente com os trabalhadores no sentindo de esclarecer e responder a todas as dúvidas e questões que os trabalhadores entendam colocar.

NÃO ESQUEÇAM

Reclamem todas as medidas de prevenção individuais e coletivas, contra o vírus. Pertencemos a uma atividade que não pode parar, por isso, solicitamos que se cuidem e que tudo corra bem.

Laranjeiro, 20 de janeiro de 2021

powered by social2s