Conquistado um Acordo de Empresa E PRECISO MELHORA-LO

Sem deixar de ter como objetivo central a integração plena dos trabalhadores da CarrisBus na Carris, decorreu no passado dia 26 de Março a reunião com a administraçã , para discussão da proposta de revisão do AE da CarrisBus, previamente discutida e aprovada pelos trabalhadores.

Quanto às férias a empresa contrapõe o aumento para 24 dias úteis, mantendo a majoração atual, em contraponto à nossa proposta de 25 dias úteis e amajoração de cinco dias. Após debate, a FECTRANS/ STRUP reformulou a sua proposta para as 39 horas semanais. Empresa transmitiu que dará resposta posterior.

 Nesta reunião a empresa transmitiu que não está em condições de poder considerar a redução do horário semanal para as 35 horas.

Quanto ao trabalho noturno a empresa aceitará a nossa proposta, desde que a redação clarifique que só os trabalhadores que de forma definitiva, passem do horário noturno, para o diurno, por conveniência do serviço, é que manterão o direito ao subsídio noturno.

 No que respeita às anuidades à proposta da FECTRANS, que consistia na aplicação do mesmo que existe na Carris, a empresa diz só ter a possibilidade de aumento do valor das anuidades para 6,50 € e aumentar das 5 anuidades atuais para 8 anuidades e passar as diuturnidades para quatro de três em três anos: aos 9 anos – 58,50 €; aos 13 anos – 84,50 €; aos 17 anos – 110,50 e aos 21 anos – 136,50.

Na discussão que se seguiu a empresa admitiu rever esta proposta dado que o valor que propõe aos 9 anos é inferior ao valor que os trabalhadores hoje com 10 anos recebem.

No que respeita ao subsídio de turnos a empresa aceitou a proposta da FECTRANS/STRUP de aumento deste para 25 €.

 Quanto à criação de uma cláusula sobre o Fardamento que consagre a existência deste, cumprindo com as normas de equipamentos de protecção individual devidamente adaptado às condições de verão e inverno, nomeadamente a existência de uma camisola “polar” . A empresa aceita a proposta da FECTRANS/STRUP, propondo que se acrescente que este fardamento será atribuído “tendo em conta as condições da actividade desempenhada”.

ALGUMAS DAS NOSSAS PROPOSTAS

A empresa não concordou com a proposta da FECTRANS/STRUP com a criação de tempos máximos de permanência nos níveis 3 e 4 de remuneração, estando no entanto disponível para diminuir para 4 anos, o tempo máximo de permanência no nível de remuneração 2, que hoje é de 5 anos. No que respeita à proposta da FECTRANS/STRUP quanto ao regulamento de Avaliação, foi iniciada a discussão e a empresa irá apresentar uma proposta, que permita a evolução do processo.

Concorda com a nossa proposta de no que respeita aos ajudantes/auxiliares, estes passem de forma obrigatória para um 2º nível de remuneração, ao fim de um ano e que ao fim de dois anos nesta função passem para a carreira operacional.

Também concorda com a proposta da FECTRANS/STRUP de que os trabalhadores que na carreira operacional desempenhem tarefas de organização e coordenação de trabalho, possam, a partir do 3º escalão de remuneração ser enquadrados na carreira Técnica como técnicos intermédios.

RESPOSTAS DA ADMINISTRAÇÃO ESPERAR A RESPOSTA E AGIR

mobilizao

Desde já salientamos que como os trabalhadores comprovaram em todo o processo que levou à conquista do Acordo de Empresa, a Unidade e a sua sindicalização no STRUP foi, é e será o factor determinante para continuar o caminho da melhoria no AE e para a conquista da integração plena na Carris.

 Neste quadro iremos aguardar pelas respostas da empresa às situações que ficaram pendentes dela e analisar com os dirigentes e delegados sindicais na CarrisBus a oportunidade para realização de plenários com os trabalhadores.

powered by social2s